quarta-feira, 30 de junho de 2010

Classic Car Garage. - Chegou o Verão...

Boa tarde. O Verão já cá está. O tão ansiado Verão e respectivo calor já nos fazem andar em t-shirt a sonhar com a praia, mas a culpa não é só do tempo, porque as ultimas novidades da C.C.G. também estão a aquecer o ambiente...
Com o material para os Minis do Fausto e do Fernando já cá em casa, a ordem é para "chegar fogo á peça", mas mais do que isso, também chegou mais um "dador". É verdade, ainda há Metros para desfazer...É o costume. Motor, caixa, discos, etc, etc...
Entretanto o Corsa sofre mais um devaneio artístico do dono, e a palavra de ordem é agora: " The ultimate racing speed orange wheels". Quando me perguntam porquê, respondo somente; "Porque não???" Isto passa...
Mas com ou sem "laranjas", a banda continua a tocar e eis que surge mais uma luz ao fim do tunel: Chegaram as peças para o motor do MGB, e a temperatura continua a subir...
...e com o termómetro já quase no vermelho, chega mais uma cara nova. Um simpático Mini 1000 daqui de perto também precisa de uns "toques", nem que seja para acabar com...
...isto! Entre outras "habitués" dos minis, a típica pinga de óleo do motor tem que desaparecer. Mas para hoje ficamos por aqui. Espera-me uma noite de trabalho até ás 07 da manhã e "esqueci-me" de dormir, pelo que o raciocínio já não está a 100%...
De qualquer maneira já devem ficar com uma noção do que se vai passar nos próximos dias, e não vos mostrei o que se passa nos bastidores, porque, se correr bem, em breve haverá novidades relacionadas com um clube novo, mas depois conversamos melhor...
Viva o Verão!!!
RT

P.S.- Em breve vou detalhar a história do Mini de 59 do penúltimo post, mas entretanto quero agradecer a todos pelos vossos comentários, mas sobretudo pela vossa empatia. É importante sentir que há quem nos entende... Um abraço.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Mini SE7EN - 1959. Um sobrevivente...

Boa tarde. Hoje é um dia muito invulgar na história do meu Mini Seven (850) de 1959. Já publiquei a maior parte da história dele aqui, mas desta vez tenho mesmo que mostrar mais um bocadito...
Isto é o famoso certificado da "British Motor Industry Heritage", que entre outros dados, revela a idade e parte das características dos Minis quando deixaram a fábrica, e como se pode ler, o meu foi construido no dia 5 de Novembro de 59 e embarcado para Lisboa no dia 6 do mesmo mês. Também diz que a cor seria "Farina Grey" e os estofos cinzentos e vermelhos. Uma nota especial para o equipamento, que incluía souffage, e que na época era um pequeno luxo.
Apesar de todas estas informações, quando comprei o carro sabia perfeitamente que, apesar de ser um MKI genuino, não estava de origem, e duvidava seriamente se seria mesmo de 59. Confirmei mais tarde que de facto tinha pouca coisa de 59, mas desde que me conheço, isso para mim pouco importa. Comprei-o porque gostei dele e de qualquer maneira não fazia questão de andar a gabá-lo por ser de 59. Infelizmente, dois dias após o ter comprado no estado em que estava, e de não ter feito mais do que por gasolina, decidi ir á concentração mensal a Belém. Foi a ultima vez que lá fui, pois a intolerância de certas pessoas e os comentários demasiados desprestigiantes acerca da originalidade do carro fizeram-me sentir de facto ostracizado em relação aos Cooper's e outros Minis, rigorosamente nas mesmas condições, que por lá aparecem. Achei, e continuo a achar que ter um Mini significa ter atitude e personalidade irreverente, pelo que todas essas facetas de pseudo originalidade não me interessam, nem me identifico com isso. Todos são bonitos sem excepção. Quem tem um Mini "XPTO" só para ter algo que os outros não têm, na minha opinião, escolheu o motivo errado...
Bem, de qualquer maneira não o ia arrumar para um canto e esquecê-lo só porque não estava de origem. Aliás, fiz rigorosamente o contrário. Corri Portugal de norte a sul, diverti-me e adorei cada momento em que o conduzi e conduzo ainda. Pode estar modificado, mas é de certeza um MK1, ora vejam...
O tipico avental inferior de feitio redondo. Só sairam de fábrica assim até 1964. Tudo o resto é posterior a essa data...
... como este. Neste caso é de 79, mas se fosse de 65 era igual...
Mas se vos disserem (e pode acontecer...) que a frente foi substituída para reparar, procurem aqui também. As fixações dos cintos de segurança. Nos minis montados depois de 64 estão neste local, porque os MKI genuinos...
...têm-nos aqui. Reparem bem com estão muito mais acima no pilar. Neste caso, a conversa do restauro já não encaixa, embora custe a muito boa gente admitir...
E o pormenor da dita souffage MKI. Não é igual á do Cooper nem parecida. É unicamente usada nos MKI até 63 ou 64 (não tenho a certeza absoluta) e que neste caso foi montada por opção de encomenda.
Agora o motivo porque vos estou a contar isto tudo. Não gosto de "lavar roupa suja" com ninguém, muito menos no meu blog, que apesar de muito modesto, tento manter de certo nível. O motivo deste post tem a ver com isto...
O reconhecimento de duas entidades especialistas em Minis de que o meu "pequeno" 850 de 59 é um "sobrevivente". Parece mentira, mas é a pura verdade. O site "1959 Mini Register" e a "Mini Magazine" reconheceram o meu carro como sendo um dos poucos (em relação aos dos outros anos todos) de 59 que ainda existem. Não comprei este diploma, nem tão pouco o pedi ou tinha conhecimento que o iria receber. Simplesmente chegou sem aviso. Registei-me no "59 register" há uns anos e não sou assinante da revista, mas vejam só, não deram importância nenhuma ao facto de o carro não estar original. Aliás, na ficha de inscrição existe mesmo uma opção que diz "reshell", ou seja, "carroçaria não original". Cá não se pode ter jantes especiais num carro destes que somos logos postos de parte.
Sem querer perder mais tempo com "roupa suja" digo o seguinte: Portugal é um pais pequeno, com gente de trabalho e honesta, porém de visão curta. O meu carro a partir de hoje vale rigorosamente o mesmo que valia ontem, porque para mim é apenas mais um Mini de que gosto muito, apesar de ter, hipoteticamente falando, um valor comercial superior á maioria. Claro que fiquei contente com o reconhecimento, mas teria sido muito mais valioso para mim se tivesse vindo de algum clube ou similar de Portugal, em vez do estrangeiro...Talvez isto sirva para começar a mudar algumas mentalidades...
"-Pequeno "oito e meio" de 59, podes não estar original, mas gosto de ti na mesma..."
Desculpem este desabafo, mas sinto finalmente alguma justiça acerca do carro, sobretudo quando vejo "medalhados e vencedores" com detalhes mais do que evidentes do mesmo tipo de situação, e que em alguns casos nem "batem certo" com o ano...

Thank you very much to 1959 Mini Register site and to Mini Magazine for your appreciation.
Means a lot to me.

Obrigado.
RT

domingo, 20 de junho de 2010

Pampilhosa da Serra - "Uma ilha no tecto do Mundo".

Bom dia. Hoje quero contar e mostrar-vos algo que já não acontecia há bastante tempo, a minha participação numa concentração de Minis. Com a vida que todos me conhecem, este tipo de evento é agora bastante raro para mim, mas com grande pena minha pois estou plenamente convencido que são sempre bons momentos de prazer, e que merecem sem duvida o nosso empenho. Talvez por ter estado tanto tempo sem participar, ou por ter reencontrado amigos que já não via há tanto tempo, esta concentração teve um sabor muito especial para mim. Sem querer desprestigiar todas as outras em que participei no passado, esta foi mesmo das melhores. Paisagens soberbas, um ambiente espectacular, muita diversão, e é claro..., a primeira concentração do Miguel. A Pampilhosa da Serra ficou no coração, e agora deixem-me mostra-vos porquê...
Pouco passava das 09:00 quando chegámos, mas o programa não exigia corridas. Até á hora de almoço era mesmo só o convívio, e não demorou muito...
...a começar. Um primeiro grupo vindo da região de Góis, mas logo seguido por outro de Lisboa, com aquela agradável sensação de "nervoso miudinho" para ver as máquinas...
..e as novidades. E com cerca de trinta Minis reunidos, a pacata vila da Pampilhosa da Serra começou a ficar ainda mais colorida.
Entre originais e personalizados havia um pouco de tudo, mas todos bonitos sem distinção...
Com jantes "Wolfrace"...
...Assistência da "Downtown"...
...Look "sport" clássico...
..."Wonder Green"...
..."Cosmic Cooper"...
..."Ultralite Golden Sportspack"...
..."Spicy Red"...
...79" S ...
..."Super Blue Estate", entre outros tantos. Claro que os nomes são invenção minha...
...mas que fazer? Estava a gostar tanto do que estava a acontecer que era impossível parar...
Claro que não andava a dormir. Algures nas traseiras de uma casa no centro da vila...
E após um belíssimo almoço oferecido pela Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra, começou o passeio na estrada...
Com o devido aparato das buzinas...
...e as paisagens a começarem a surgir sem aviso. Aqui ainda é a Pampilhosa...
...calma e intemporal...
...num pequeno, contudo grande, pedaço de serra. Irei voltar muito em breve...
Com os olhos postos na estrada...
...e o pensamento no horizonte...
...começou a subida. Poucos minutos bastaram...
...para percebermos o quanto somos de facto pequenos no meio de algo tão grande!
Nesta altura tivemos mesmo que parar...
...todos sem excepção, porque se for contado...
...ninguém acredita. Meus amigos..., a barragem de Santa Luzia!!!
...
...!
Desculpem não escrever nada, mas não consigo explicar o que vi. Isto é de facto em Portugal...
Segue a estrada, e com ela os Minis...
...que parecem deslizar...
...algures no tecto do Mundo. Lindo...
Com a caravana sempre ao "ataque"...
...fomos passando por sítios outrora povoados por muita gente...
...dos quais ainda restam alguns...
...que não deixam que o tempo os leve. Senhoras e Senhores..., a Aldeia do Fajão!
Já no interior do museu...( Não foi possível ordenar as fotos correctamente)
O Adeus á Aldeia do Fajão, numa promessa de retorno rápido, até porque quero ter o prazer de ir comer ao "Juiz" e ir dormir á "Prisão". (O "Juiz" é um restaurante do centro da aldeia e a "Prisão" é uma residencial perto, dai o trocadilho...)
Seguimos caminho para a aldeia do Vidual de Cima onde nos esperava um delicioso lanche na Casa do Povo, cortesia da Junta de Freguesia de Vidual, sempre representada ao longo do dia pelo seu presidente, o Sr. Américo De Almeida.
Com a bateria da máquina quase esgotada, só houve mesmo tempo de meia dúzia de fotos, até porque um porco no espeto não é coisa que se deixe á espera muito tempo...
Um dia excelentemente bem passado...
...no meio do que mais gostamos...
...e em lugares que nunca acreditei existirem...
...transformaram este Sábado num dos melhores dos últimos tempos. Tristes por ter que dizer adeus, mas felizes por saber o caminho de volta, lá fomos nós para casa...
...com perto de 170 km's andados.
Pelo esforço, pela atitude, mas sobretudo pela simpatia e amizade com que nos receberam e acompanharam todo o dia, quero expressar o meu agradecimento á Junta de Freguesia de Vidual, á Junta de Freguesia de Fajão e á Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra.
Os meus parabéns e um grande obrigado para todos os responsáveis da organização, a saber: o Sr. Marcolino Alves, o Sr. João Alves, o Sr. José Sobreira e a todos os outros que participaram de forma incógnita para que isto pudesse acontecer. Isto é a prova mais concreta de que quando a vontade existe e os meios estão disponíveis, a vida aparece por si só!
Muito obrigado a todos.
RT