domingo, 22 de novembro de 2009

Mini 1000 - O charriot flutuante...

Bom dia. Como vos prometi, durante o fds ainda daria noticias do 1000, e como tal, aqui estão elas...Aproveitei o facto de o motor estar fora para acabar de vez com charriot da frente tipo flutuante. O charriot flutuante é o modelo mais moderno de charriot que apoia em cinoblocos de borracha, ao contrário dos mais antigos que eram fixos directamente na carroceria. E tal como o nome indica, "flutua" mesmo, ou seja, não é 100% sólido com o carro...Na verdade, conseguem-se mesmo ver e sentir as oscilações da carroceria quando o motor está no sitío. Isto foi uma das formas que a fábrica encontrou para reduzir as tão características vibrações dentro do Mini, que alguém acreditou serem de facto relevantes para quem compra um carro destes..., pois...
E para evitar desligar os travões, optei por fazer a modificação por fases, sem tirar o charriot do sitío, e trocando peça a peça. O novo kit é igual ao de origem, mas simplesmente tem todas as peças em metal e não de borracha. O conforto é muito secundário quando queremos um Mini 101% puro...Sem o motor consigo suportá-lo assim, e deu mesmo muito jeito. Este guincho eléctrico do LIDL tem sido uma boa ajuda...Os tais apoios (ou cinoblocos...) flutuantes. Apesar do metal em ambos os lados, o interior deles é inteiramente de borracha, e não existe nada sólido entre o charriot e a carroceria, por este motivo é que o charriot anda de um lado para o outro, como se estivesse solto. Acreditem que se nota a diferença em curvas a sério. O carro age algo descontrolado...E que tal? Metal puro e duro! Totalmente sólido......fixo tal qual como de origem......em todos os sentidos. Deste lado já está. Vamos para cima e para os da frente......que claro está, também eram de borracha......mas por pouco tempo. Tiram-se os velhos......e presta-se alguma atenção aos novos. Reparem que existem dois tipos de anilhas. Não é dificil perceber qual é a inferior......mas claro que todas levam disto. Massa cobreada, ou massa de cobre. O aluminio vai oxidar e o ferro vai enferrujar, mas usando esta massa, tenho muito mais hipóteses de um dia conseguir tirar tudo outra vez sem grande esforço, e já não é a primeira vez que isso acontece mesmo. Há que prevenir...As inferiores já estão em posição, e com o charriot descaído, é altura de ir para as da frente......que são as mais estranhas do conjunto todo. Apesar de fazerem rigorosamente o mesmo trabalho, têm um aspecto algo diferente......mas mesmo assim, fáceis de montar no sitio......sem grande esforço......e até de várias maneiras. Podem ser montadas mesmo no final de tudo apontado. A frente de chapa do carro permite alguma folga preciosa...
Com tudo no lugar......sobra uma carrada de apoios em bom estado que poderei usar noutro carro qualquer. Talvez no Moke. Os pernos com os ganchos foram trocados por parafusos mais robustos e compridos. Davam para montar, mas optei por usar parafusos de aço e abdicar das argolas. Puxar um Mini por ali pode causar alguns disabores. Já vi um descer de cima de um reboque por ter partido a argola mesmo a chegar ao cimo da rampa...Bom..., com ou sem argolas, o charriot já está no sitio, e desta vez com uma montagem sólida. Metal com metal......em todos os lugares suspeitos......devem garantir uma condução diferente......e mais eficaz.
Espero ter perdido para sempre aquele efeito de pneu vazio que algumas vezes me assustou em momentos complicados......e por falar em pneus, em breve irei postar uma novidade no dominio das jantes, mas só lá mais para a frente......pois o orçamento não estica. Fica a faltar o charriot traseiro, mas antes de começar com ele......ainda tenho que trocar os foles de direcção rotos. Por hoje está feito, mas durante a semana quero acabá-lo e dedicar-me a enfiar o novo motor lá para dentro. Começa a crescer "aquela" curiosidade típica de exprimentar algo novo e descobrir se resultou. Darei noticias assim que possivel...
RT

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Mini 1000 - Está em movimento...

Boa noite. Apesar de ter saido de casa por volta das 05:30 da manhã, ainda consegui tirar o motor ao 1000 hoje. Está frio, estou cansado, mas o motor está cá fora...Tinha ficado preso apenas pelos apoios...
...e meia hora chegou para acabar o trabalho......que envolveu tirar o LCB para garantir que o motor passava sem arrancar nada fora...
Depois de sair......tive então oportunidade para registar algumas das diferenças entre este A+ de um After Height de 90 e do A+ de um Metro de 88. O tal tubo da cabeça......a polie fina de chapa com encaixe para captor de rotação ( para excutar diagnósticos e afinações) e o apoio de motor também em chapa......o tubo de alimentação do manómetro da pressão de óleo......em lugar da válvula. Por hoje está feito......e com o Miguel ao colo, me despeço até amanhã, com promessa de trazer mais novidades ainda este fim-de-semana!
RT

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Mini 1000 - A contagem final...

Boa noite.
Foi preciso chegar ao fim do ultimo dia de férias para conseguir enfiar o 1000 na "mesa de operações". A contagem final já começou e não há regresso...
Com o novo "coração" mesmo ali ao lado, o milagre começou......nas calmas. A ultima foto deste A+ que tantas emoções nos deu, mas aquela caixa disse tudo, e o rapport do Metro parece realmente mais adequado para o uso nas estradas da região. Vamos aguardar para ver. Para já......tiramos o capôt para "meter" as mãos á vontade...Reparem na tal borracha que evita a água de cair em cima do carburador. É uma espécie de "salva motores". E com meia duzia de parafusos tirados......o aspecto começa a ser outro. Montado á tão pouco tempo, o motor não oferece a habitual resistência com parafusos moidos ou gripados. Tudo saiu na perfeição......e tive a oportunidade de ir revendo velhos amigos. O meu distribuidor electrónico que tantas vezes me levou á barreira das 6000 RPM sem chatices......e o tal suporte que me permite usar uma embraiagem tipo VERTO......assim como o colector de aluminio que suporta o HIF 38 e o respectivo filtro JR... ...longe do calor excessivo provocado pela indução do admirável LCB que melhorou bastante a forma de libertar a potência do pequeno 998 cc...Uma montagem tipo "bolt on" sem duvida, mas espectacularmente bem equilibrada na relacção fiabilidade/rendimento, e de fácil manutenção também...Chegada a hora de ir "lá a baixo", comecei por libertar os cubos e ganhar algum espaço nas transmissões. Claro que já tinha retirado óleo do motor......mas ainda assim encontrei bastante fora do cárter. Como é para desmontar, não me preocupei muito em lavar......mas ainda assim fui reencontrando pequenos detalhes que assinam o meu trabalho. Nos meus carros, em vez da habitual cavilha elástica de aço, uso um parafuso de 4mm para facilitar a desmontagem, e após ter posto a alavanca na posição de marcha-atrás sem estar totalmente engatada... ...o veio saiu facilmente. Esta modificação é somente para evitar usar o martelo e o punção para desmontar a cavilha, pois de resto funciona do forma 100% igual......assim como o "saca-falanges". Não é o modelo mais perfeito, mas funciona bem. Os seus bicos rampeados fazem saltar as falanges sem estragar nada. Basta uma pequena pancada e o freio cede sem esforço.
A chuva que cai incessantemente e o frio que varre todo o ambiente do meu humilde telheiro fazem-me deixar o resto para amanhã, na vã esperança de um dia melhor...
"As suaves e melodiosas vibrações de um violino e do piano seu companheiro, fizeram chegar até mim estas palavras que escorrem de meus dedos, e que, num gesto tão puro e genuíno, vos apresento em forma de pensamentos ou histórias de um quotidiano simples e frívolo, que vou tenazmente tentando fazer brilhar no meio de tanta escuridão... A bela juventude escapa-se do mundo como o universo no tempo, mas o viver jovem, esse fica para sempre dentro e fora de nós. Talvez mesmo em todo o lado, como o pensamento do Homem...O doce aroma de um sonho próximo avisa-me das longas horas do dia, mas de alma descansada e sorriso rasgado, me despeço de vós, com a promessa de voltar em breve. Adeus caros amigos Brahms, Mendelssohn, Beethoven, Bach, Schubert, Chopin e tantos outros...

Isto não é apenas musica, é Liberdade!"

RT

domingo, 15 de novembro de 2009

Mini 1000 - As obras de Sta. Engrácia...

Boa tarde.
Antes de falar do Mini, deixem-me só mostrar-vos a ultima "razia" da C.C.G., e digo razia no sentido de, á semelhança do Clio, ter sido mesmo a "razar á pele". Desta vez foi o Corsa Maravilha 1.2 Kat (GPL) que tanta falta nos faz nesta altura...
Esta máquina é mesmo uma mais-valia numa altura de orçamento magrinho (como sempre, aliás...), pois o seu consumo aliado ao preço do GPL fazem dele um bem precioso, e como qualquer coisa que se estima, convém olhar para ele de vez em quando. ..
...não acham??? Ainda não me refiz de um susto e toma lá outro......ainda pior que o primeiro. Não queria, mas tive mesmo que perder umas horas com ele, e até saiu melhor do que a encomenda, porque aproveitei o facto do meu pai cá estar e todos os problemas eléctricos ficaram despachados. Não eram dos mais complicados, mas quem sabe, sabe...
Refeito desta, mandei-me ao Mini, enquanto não aparecia nada pelo caminho... Comecei pelo retentor da cambota da tampa da distribuição, e até correu bem porque tenho uma ferramenta "altamente" para colar os retentores no sitío que se chama: "Ferramenta especial calibrada de montagem de retentores em tampas de Mini quando estão arredios de ficar quietos no sitío como deviam..."
Claro que também há quem lhe chame frasco de pickles velho..., mas não interessa o nome porque funciona impecávelmente e é bom e barato. Em suma, a peça perfeita! Seguindo...Como o espaço para desvaneios mecânicos no Mini é demasiado, é sempre aconselhável tratar do máximo de detalhes possiveis cá fora, e este é dos tais que de vez em quando nos calha pela frente: o retentor do veio selector da caixa de velocidades...Depois de limpar bem a zona, começamos por tirar o retentor velho ao introduzir uma chave de fendas fina como na foto......e se correr bem, sai com facilidade. Nas caixas antigas podem ser montados dois retentores seguidos. Se for esse o caso, convém substituir os dois.E pimba!!! Já cá mora. Vamos limpar a caixa......com um pano e diluente. Quanto mais desengordurado, melhor......para podermos colar o retentor novo em condições......mas antes ainda temos que encontrar a peça certa para o empurrar para o sitío, e evitar deixar secar a silicone em demasia. Uma chave de caixa "alta" serve "que nem jinjas". Neste caso foi uma 19......e eis o porquê de ter que ser uma "caixa alta". O veio das mudanças fica uns 4 cm fora do cárter, e com uma chave destas chegamos lá sem stress...
Com tudo limpo e a chave a postos, altura para a silicone. Não convém usar cola muito rija (tipo CURIL ou outras do género), porque na hora de substituir o retentor novamente, vai ser preciso limpar a cola velha, e com um bocado de azar, esse trabalho vai ser feito com o motor no sitío, e de certeza que não será fácil deixar tudo como deve de ser. A silicone de motores é realmente o ideal para isto......e já apontado......encosta-se a chave, e com um martelo pequeno......dá-se o milagre. O nosso Mini já não suja o chão da garagem!!! Este retentor é de facto um "calcanhar de aquiles" do Mini, pois fica no nivel mais baixo da caixa e tem que suportar todo o óleo do cárter. De facto, passa toda a sua vida de trabalho imerso em óleo por dentro, e cheio de terra e lama por fora... Não é dificíl falhar nestas condições... Também vos quero dizer que ao montar o retentor novo, podem empurrá-lo até bater sem perigo nenhum, porque o casquilho do selector faz de batente......et voilá!!! O motor está cada vez mais perto de ir para o sitío e puxar o 1000 com muito estilo.
Com as férias mesmo no fim, a trabalho fica algo dependente de outros factores, mas creio que não iremos esperar muito para o ver a roncar...
RT