domingo, 1 de fevereiro de 2009

Mini cooper S - O renascer de um mito.

Cá está ele! O Cooper de que vos falei a semana passada já começou mais uma nova etapa da sua vida. Ao fim de 41 anos de estrada, este Mini vai voltar a ter o mesmo estilo e glamour com que deixou a fábrica. Se á vista desarmada ainda estava muito bom de andar, a verdade é que o tempo fez alguns estragos, e reparações menos cuidadosas (bons anos 80 e 90...) tambem deixaram marcas que serão corrigidas.
Para já a mecânica é o principal factor de intervenção, mas está prevista uma "volta" geral...
Começa aqui...Mais uma vez, o Mário apareceu por cá, e para quem fala tão mal destes carros, parece que gostou. Como disse antes, -"parece que o bicho mordeu..."Depois de tirar o motor de um 1000 com montagem original, o Mário começou finalmente a ter noção das verdadeiras diferenças entre as duas coisas. O 1000 foi "um tirinho" ao pé deste......não por culpa das horas e do cansaço, mas por uma série de pequenos detalhes que fazem uma grande diferença. A caixa do 1000 desliga-se em 2 minutos e a do S não é bem assim. No 1000 bastaram 4 porcas para desligar o escape e tirar o carburador. No S, só os colectores têm 5 porcas, e duas delas num sitio "daqueles"...
...-"Ó pá! Gosto mais do azul!!!", dizia-me o Mário com um olhar de desconfiado quando se apercebeu que o colector de escape não iria sair sem dar luta. E não saiu mesmo. Para quem percebe disto, sabe o que significa tirar um motor com este tipo de caixa com o escape no sitio. As espinhas que não tivemos no 1000 vieram todas para este...
E já repararm que se nota uma espécie de fumo no ar???Apesar de gostarmos muito destes carros, a verdade é que além da chuva, estava um frio de rachar, e não havia outra solução! O "grelhador maravilha" teve que ser convocado para a festa, mas apenas na função de aquecedor. Gosto de pensar que em vez de pobre, o nosso estilo seja mais "old school", onde nada nos mete medo..., ou mete pouco!!!Já com a telefonia a transmitir os programas matinais de discos pedidos, o trabalho continuou em cima da bancada ao ritmo da musica que insistia teimosamente em versões mais ou menos brejeiras de Quim Barreiros.
Como é que é possivel que, em vez de estarem deitados na cama quentinha, estas duas "alminhas" fiquem toda a noite a pé, ao frio, de roda do óleo e dos parafusos, ainda por cima a rir das parvoices que saiam do rádio??? Fácil. Comprem um Mini e descubram...Lá por ser "Old School" não quer dizer que seja má. De paredes de pedra, telhas partidas e chão frio, a C.C.G. gosta de fazer as coisas com um minimo de cuidado. Já vi em muito bons sitios desmontarem o volante de embraiagem do Mini á martelada. Não só custa mais como empena a cambota. A chave de bocas na cramalheira é um toque especial que aprendi á muitos anos e que apesar de parecer desasjustado, resulta lindamente e nunca me deu chatices. Basta usar uma chave boa e encaixá-la firmemente antes de fazer força... Este saca não é de compra, mas foi feito com base num original da BMC, e adaptado para sacar os volantes do Mini e do Metro.Nunca perdi uma guerra com ele. Com mais ou menos estrondo, as embraiagens saem sempre sem estragar......especialmente o que não se vê. Esta peça é o adaptador que se enfia na cambota e evita que o fuso do saca trabalhe directamente na ponta da cambota. Também já vi quem fizesse isso...
Assim é mais certo...Bom..., com ou sem sacas, a festa seguiu e só acabou quando espreitei dentro da "barriga do monstro". Sem entrar em detalhes, garanto que vão gostar do resultado final......tanto do motor......como da caixa!
Em breve mostrarei tambem como se tiram os charriots do mini, e como se reparam os travões de disco ao promenor.
Mini Cooper S..., a máquina fantástica!!!
RT

8 comentários:

Anónimo disse...

Rui sinceramente só uma pessoa com uma grande simplicidade e uma grande paixão pelos minis tem está paciencia de tirar os motores e desmonta-los de noite, e ainda por as fotos no blogge. Parabéns, e que corra tudo de melhor que pessoas como tu merecem, porque muitos mecanicos com a tua idade nem sequer quererm falar de carros velhos ou chaços como muitos lhes chamam, mas tu alem de lhes dar uma nova vida tambem não te importas de explicar como o fazes, continua assim porque é dessas pessoas que os nossos classicos precizam.
Espero um dia te conhecer pessoalmente, um grande abraço.

Carlos Monteiro

Mini Car Garage

Anónimo disse...

Pergunto-me o que de S terá esse carro... O motor e os interiores não são de certeza... Serão só os documentos? :)

O meu Datsun SSS disse...

Boas gajo,

Que pena tenho eu de não estar junto de ti nestes momentos, ao ver-te assim de volta dos Minis, sinto saudades da "velha" Baiuca.

Continua assim com a tua força e sabedoria!!!

Abraço
Helder Ramos

Rui Tiago disse...

Bom dia. Cooper S ou não, este carro tem mais do que a grande maioria que ai anda. Muitos dos S (e não só...) que rolam por ai já não estão originais, mas também acho que não merecem ir para a prateleira por causa disso. Uma coisa este carro tem de certeza melhor que muitos S XPTO, um dono que gosta dele a sério e uma atenção igual a poucos. Isso, penso eu, é o mais importante!
S ou não, o que interessa é que ande e faça o que tem a fazer: divertir!!! :)

RT

Anónimo disse...

Claro Rui, ainda bem que este carro tem um dono que gosta, estima e faz uso dele! Que fossem todos assim... E claro que não deve ir para a prateleira. Só achei um pouco incoerente evidenciar tanto o 'Cooperismo' e a 'barriga do monstro' quando de facto não o tem. Secalhar como leitor assíduo e concordante a nível da validade da informação do blog, estranhei... Peço desculpa se me excedi. Abraço

Rui Tiago disse...

Epa..., calma..., não quis repreender ninguem. Compreendo bem e concordo com o que foi dito, apenas aproveitei para manifestar um ponto de vista acerca destes assuntos. Infelizmente há por ai muita gente que não acha nada suficientemente bom, mas aqui neste blog só se fala de coisas positivas, pelo menos na maioria das vezes...lol Se calhar quem se ecxedeu fui eu, mas apenas na interpretação que permiti ao meu comentário. Nunca fico chateado com criticas construtivas. Quando disse "barriga do monstro" disse-o no sentido de motor. Se fosse um 850 teria dito o mesmo...
De qualquer maneira também não sei o que lhe chamar senão cooper...
Uma réplica é uma réplica, um cooper é um cooper e um "anfibio" é uma coisa qualquer. Dentro destas 3 opções, acho que chamar-lhe cooper não é ofensa, e ainda por cima há tão poucos...
De qualquer maneira o importante é que fique esclarecido que não pretendi ofender ninguem, sobretudo um leitor assiduo, apesar de não saber quem é...
Terei mais cuidado da próxima vez...
Abraço: Rui Tiago

Anónimo disse...

Foi com alguma surpresa que identifiquei esse Cooper que conheci muito bem e que julgo que adquiriu num comerciante de clássicos ali apara os lados do Lourel/Sintra.
O carro é interessante, embora haja muito para corrigir ( atenção especial à carroçaria do lado do condutor... ). No entanto, tudo é possível corrigir e há uma coisa que esse carro tem, que alguns ( ali para a R. Filipa de Vilhena.../Lisboa ) gostariam de possuir, que é o 1º livrete original e ainda manuscrito emitido no ano de construção do carro.
Só posso desejar-lhe um excelente trabalho final de reconstrução.

Anónimo disse...

Foi com alguma surpresa que identifiquei esse Cooper que conheci muito bem e que julgo que adquiriu num comerciante de clássicos ali apara os lados do Lourel/Sintra.
O carro é interessante, embora haja muito para corrigir ( atenção especial à carroçaria do lado do condutor... ). No entanto, tudo é possível corrigir e há uma coisa que esse carro tem, que alguns ( ali para a R. Filipa de Vilhena.../Lisboa ) gostariam de possuir, que é o 1º livrete original e ainda manuscrito emitido no ano de construção do carro.
Só posso desejar-lhe um excelente trabalho final de reconstrução.