quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Afinar as válvulas do motor do Mini

 Bom dia.

Para ajudar a leitura...: https://youtu.be/n2MtEsrcTTs

Este é um tópico chave de qualquer blog, site ou artigo relacionado com automóveis em geral, mas neste caso, com os Minis. Já o devia ter feito antes, mas foi ficando esquecido e hoje tive a oportunidade de o tentar. As imagens são um pouco amadoras, mas quando tiver um pouco mais de tempo, publico algo mais "artistico"...
 Peças muito importantes para o bom desempenho do motor de qualquer carro, as válvulas são muitas vezes desprezadas quer nas revisões, quer no diagnóstico de avarias ou falhas de performance. A sua correcta afinação, (que pode variar em função do tipo de montagem/preparação do motor), é essencial para garantir que o ciclo dos 4 tempos (Admissão, compressão, explosão e escape) se faz o mais preciso possível, com o respectivo ganho em potência, consumo e duração do motor. Por se tratarem de peças móveis, estão também sujeitas a desgaste, e é esse mesmo desgaste que temos que corrigir periodicamente. Esta afinação que vou demonstrar de seguida serve para qualquer tipo de motor Mini ( 848, 998, 1098 ou 1275 cc) desde que em estado original. Convém também adiantar que existe uma versão deste trabalho muito mais elaborada, que envolve a posição de cada válvula, mas este método é mais simples, ( tem sido usado desde sempre por tudo o que é mecânico ou coisa parecida ao longo dos anos) e na prática o resultado é o mesmo. Vamos lá então começar...  
 ...por aqui! O "contrabalanço"!!! Durante um ciclo completo de cada cilindro ( os tais 4 tempos, ou duas voltas na cambota...), existe um breve momento entre o fim do escape e o principio da admissão em que ambas as válvulas estarão em movimento, a de escape vai acabar de "subir" e a de admissão começar a "descer". A este momento chama-se o "contrabalanço" das válvulas. Reparem na foto acima, a válvula de escape está a subir...
...chega ao cimo...
                                       
 ...e a de admissão começa a descer. Com esta noção adquirida, podemos agora passar á afinação das válvulas propriamente dita.
 E em vez de explicações complicadas, fiz isto: Um esquema simples. Rodamos o motor (sempre no sentido do ponteiros do relógio visto do lado do radiador), até o 4º cilindro ficar no contrabalanço e podemos afinar ambas as válvulas do primeiro. Rodamos a cambota mais 180º...
 ...até ao contrabalanço de segundo cilindro. Altura de afinar ambas as válvulas do terceiro! Mais meia volta na cambota...
 ...e temos o contrabalanço do primeiro cilindro. Afinamos então o quarto. E por fim...
 ...depois de mais meia volta na cambota, o contrabalanço do terceiro, e podemos afinar as válvulas do segundo. Por esta altura teremos todas as válvulas afinadas.
"-Porquê afinar o cilindro oposto (1 para o 4 e o 2 para o 3) quando temos as válvulas no contrabalanço?" 
"- Porque nesse preciso momento, o cilindro oposto está no inicio do 3º ciclo (explosão) onde ambas as válvulas têm que estar bem fechadas para que vedem o máximo possível de compressão, e é o único momento em que ambas terão folga simultaneamente."
 Com a ordem de afinação esclarecida, basta-nos falar apenas da verificação da folga em si. A sensibilidade com que se utiliza o "apalpa-folgas" é difícil de explicar por palavras, mas imaginem...
 ...que aquela lâmina (0,30mm ou 0,12" a frio) está suficientemente presa para não sair sozinha, mas se a puxarem com dois dedos sai facilmente, ainda que a "arrastar". Deve também poder entrar com o mesmo tipo de fricção, justa, mas ainda assim entrar. Entretanto...
 ...o ajuste da folga faz-se aqui. Alivia-se a contra-porca (usem uma chave bem justa para não arrasarem a porca. O perno da cabeça vai estorvar, mas NÂO usem a chave de bocas!!!)
 Com a porca bem leve e segura pela chave, rodamos o parafuso até atingir a tal fricção da lâmina de que falamos antes e reapertamos a contra-porca. Repitam as vezes que forem necessárias até ficar perfeito. Nem muito largo nem muito justo, apenas perfeito...
 ...e façam o mesmo para a outra válvula.  Passem aos restantes cilindros pela tal ordem do "diagrama" e já está.
 O ideal é fazer isto a cada 5000km's (ou menos), ou em cada muda de óleo. Um motor parado NÃO altera a folga das válvulas.

Notas importantes:

Tirem a chave da ignição ou desliguem a bateria. Não vale a pena correr riscos.
A folga das válvulas (todas) é de 0,30 milímetros ou 0'12 polegadas (motor frio).
Rodem o motor sempre no sentido do relógio visto do radiador. Mantém a corrente de distribuição esticada no sentido certo. Podem rodar o motor engatando o carro em 4ª e puxando para a frente, mas se passarem o ponto desejado e tiverem que rodar o motor para trás, façam com que cheguem ao ponto que procuram a rodá-lo novamente para a frente. Se tirarem as velas, quase de certeza conseguem rodar o motor pela ventoinha (com jeito e cuidado com os dedos), ou pela porca da polie do alternador.
Verifiquem sempre se apertaram bem TODAS as contra-porcas.
Tenham uma junta da tampa de válvulas nova á mão. As usadas podem partir ao tirar.
Não façam este serviço com pressa. 

Espero que vos seja util.


Rui Tiago

Sem comentários: