quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Morris Cooper S 1966. Foi quase, foi quase...

Hoje ligou-me um colega que já não via á muito tempo, demasiado até, e após uns minutos de conversa, convidou-me para conhecer a sua casa nova, comprada a um senhor de idade,e que, curiosamente, fica a cerca de dois quilometros da C.C.G. Apesar de estar cheio de trabalho, e por insistência do meu colega, aceitei o convite e fui visitá-lo. Depois de ver a casa toda, que foi construida nos anos 50, chegámos á garagem, e tal como o resto da casa, estava atulhada de tralha velha em caixas e sacos espalhados por todo lado. Estranhei imediatamente aquele espaço vazio e demasiado limpo no centro da garagem. Faltava ali um carro, e de certeza que era á muito pouco tempo. Foi então que ele me contou...Para facilitar as obras, chamou um sucateiro para carregar a sucata que estava na garagem que iria servir de armazem para os novos materiais, e como é obvio, o fulano começou pelo carro que estava lá dentro: Um Morris Cooper S de 66, verde com o tecto preto, que o antigo dono tinha deixado para trás, com os respectivos documentos e declaração de venda para o meu colega, caso não o quisesse, dar a alguem que o aceitasse, uma vez que o senhor já não conduzia. Estive 10 minutos em estado de choque, e quando recuperei, comecei rapidamente a vasculhar todas as caixas que encontrei, porque acabara de ver em cima de uma prateleira uma grelha de um MKI. Entre pneus velhos e jornais, começaram a surgir as primeiras provas do bárbaro crime que ali tinha ocorrido...
Manetes do pisca MKI, farolins traseiros MKI, vidros de pisca brancos (em vidro mesmo...), espelhos, cinzeiros, tampões de roda e finalmente...
...o golpe final!!! O emblema do capôt de um Morris Cooper.
Os farolins originais do carro. Em 1970, o tal senhor mandou instalar uns farolins do 1000, porque segundo ele,..."ficava mais moderno".
A grelha original. Uma das alhetes soltou-se do rebite e o senhor comprou uma nova, em 198...
Claro que liguei para o sucateiro, mas apenas para ouvir o que já esperava: o carro agora era um fardo do tamanho de uma caixa de sapatos. Tambem conversei com o antigo dono e fiquei a saber a história toda do carro desde o dia em que foi comprado até á venda da casa. Expliquei então aos dois a minha actual relacção com os Minis e o significado da expressão "automovel clássico. O senhor ficou aborrecido por não ter dado outro destino ao carro, mas tambem por ter ficado com a noção de que deitou fora uns milhares valentes de euros. Como é que é possivel, em pleno 2007, acontecer destas coisas? Este meu colega lembra-se do meu primeiro Mini, mas como não nos viamos á uns 8 anos, não sabia desta minha paixão, e o pior de tudo é o sucateiro. Quem é o sucateiro digno desse nome que não sabe que os Minis valem mais inteiros? Ainda não estou totalmente refeito do desgosto, mas já me perguntei mil vezes como é possivel ter passado tantas vezes á porta daquela casa e nunca ter reparado ou visto o que estava lá dentro. Como é possivel??? Morris Cooper S de 66, foi quase meu. Foi quase...
RT

5 comentários:

Anónimo disse...

só visto, há com cada um, foi mesmo por uma unha negra, primeiro foi o cooper s de mafra quando ainda andavas a pensar em tirar a carta, é quase tudo ao lado , dass.


sssssssssssssssttttttttttttttt

Tiago Santos disse...

Há com cada um...destruir um Cooper, como é possivel???

Carlos Silva disse...

Boas,

Realmente é uma história incrível, mas será que o sucateiro não guardou algures o Mini para depois vender?? Acho mt estranho um sucateiro enfardar assim um Mini, de certeza que mesmo estando disfarçado de mk3 ele deve ter reparado no motor e nos travões de disco.

Ah, e parabéns pelo BLOG, está espectacular!!

MINI Parabéns!

Rui Tiago disse...

Assim que soube do que se passou, foi ao estaleiro do sucateiro que o levou e vi o Mini do tamanho de uma máquina de lavar roupa, juntamente com mais uma duzia de carros no mesmo estado, em cima de um camião para seguir para a siderurgia. Ainda espreitei se haveria alguma coisa a recuperar dali, mas quando se vê as rodas do mesmo lado encostadas uma á outra, já pouco resta para salvar...Até os carretos da caixa estavam á vista...

Anónimo disse...

Então, e os documentos do carro, não os recuperaste? OLha que valem dinheiro!!!